quarta-feira, agosto 31, 2011

Que setembro venha com bons ventos...
Que me traga sorte e amor...
Que não me deixe sofrer, por favor...

[Caio Fernando Abreu]

segunda-feira, agosto 29, 2011

"E eu me pergunto até que ponto eu te reviro por dentro... alimento ou tormento?
Qual a minha real condição diante de ti... veneno matando ou antídoto curando?"


Você me provoca...
Você me perturba...
Joga água e sai correndo...
Atira pedra e me acerta de raspão...
Me espia no escuro e mostra a língua... me xinga...
Me atiça...
Invade o meu sossego... meu refúgio...
(...) Sem saber até onde vai meu bote...
Você me provoca achando que não há perigo...
Sem conhecer a força da minha mordida... o tamanho dos meus caninos...
Você me provoca sem esperar a picada...
Sem saber que ainda não inventaram antídoto pro meu tipo de veneno...
[Caio Fernando Abreu]

domingo, agosto 21, 2011

Há um vazio que não quer me largar...
Que insiste em deixar cinza os meus dias...
Mas chega!
Um dia me disseram: A vida tem as cores que você escolhe...
Então eu comprei várias latas de tinta e fui...

................ colorir a vida!

[Thaily]

sexta-feira, agosto 19, 2011

(...) Estou indo... sem muita bagagem...
Pesos desnecessários causam sempre dores desnecessárias...
Esvaziei a mala... olhei o fundo dela, limpei...

E estou indo preenchê-la com coisas novas...
Sensações novas...
Situações novas...
Pessoas novas...

Tudo novo!


[Caio Fernando Abreu]

terça-feira, agosto 16, 2011

Esquecer alguém é tão difícil... mas como é triste deixar de gostar...
Fica uma espécie de falta de assunto... você cumpre a sua rotina, faz tudo que deveria fazer, mas sente que te falta algo...
Talvez aquela dorzinha latejante que te fazia consciente do teu coração pulsando o dia inteiro... E você tinha um objetivo grandioso: fazê-la cessar...
E um dia você nem percebe que ela se foi...
O desconforto é outro: parece que não sinto nada!
Meu corpo inóspito, sem habitação...
Tenho minha alma larga, mas ainda sobra este espaço pra um amor eterno que ele ocupava e que não existe mais...
E eu tenho todo esse potencial amoroso entre as mãos e ninguém pra me ajudar a desenvolvê-lo.
E conviver com esse "não gosto mais" vai ficando perigoso... Não há como recolher o que foi deliberadamente esvaziado de significado.
Então é isso: Nunca mais vou sonhar com uma reconciliação, um reencontro ao som de violinos... Nunca mais vou imaginar que nos esbarraremos por ai, eu no meu melhor vestido... e um ar sereno, ele todo lindo com os olhos salivando de vontade de mim...
(...) Mas o que eu faço com esse "não gosto mais"?
(...) Esquecer alguém é tão difícil, mas deixar de gostar traz um vazio absoluto... Porque até que outra coisa tão real e surpreendente aconteça, parece demorado e dá preguiça demais...
E quando estiver carente e me fizer deslumbrante e disponível terei que esperar que alguém interessante apareça com o mesmo blábláblá dos primeiros instantes...
Ele já sabia tanto quando eu nem precisava dizer... era tão delicioso a gente só se olhar, cúmplices, e seguir por aí de mãos dadas (...) Era tão maravilhoso saber que meu projeto de vida era acordar ao seu lado todos os dias... Era tão excitante ficar atualizando a caixa de e-mails esperando o dele... o telefonema no meio da tarde, as mensagens... que me faziam ouvir sua voz ao meu ouvido...
Quer dizer que isso tudo ficou no passado?
Que meu corpo está completamente destituído de afeto por ele?
Foi pra isso que fiz tanto esforço?
(...) A nossa relação me ocupava plenamente... e agora, nas horas vagas e sem ocupação emocional, eu sigo mais vaga que as horas todas... (Nem a minha autosuficiência tem bastado).
Esquecer alguém é muito difícil, mas não lembrar pode ser ainda mais doloroso...


[Marla de Queiroz]

segunda-feira, agosto 15, 2011

E amanhã vai nascer o sol, apesar de tudo, eu sei (...)
E seria tão melhor nublado (...) Qualquer desculpa para não sair da cama... Algum drama na TV para poder chorar...
Mas, amanhã terá sol! Trinta graus apesar do inverno...
(...)Transfiro, portanto, meu luto para outro dia e a minha dor para embaixo do travesseiro porque a vida segue, meu bem...
Ela nos atropela sem pensar...


... e não há tempo para sofrer de amor!

[Érica Vitorazzi]

domingo, agosto 14, 2011

Amor permanente...
Como a gente se agarra nesta ilusão...
Pois se nem o amor pela gente mesmo resiste tanto tempo sem umas reavaliações...

[Martha Medeiros]

quarta-feira, agosto 10, 2011

Se o que os olhos não vêem o coração não sente, como se explica a saudade?

segunda-feira, agosto 08, 2011

Encontros & Desencontros

O dia em que apreendermos a não criar expectativas em relação as coisas e as outras pessoas, encontraremos a chave para os nossos conflitos internos...
O dia em que apreendermos a valorizar cada momento da vida ao lado de alguém, encontraremos, afinal, o que tanto procuramos...
O dia em que apreendermos a nos amar em primeiro lugar, pra depois compartilhar esse amor, encontraremos a tão sonhada... felicidade!


Lendo o site de um amigo, onde ele e outros profissionais dão conselhos às mulheres sobre vários assuntos, mas principalmente, sobre relacionamentos... percebi o quanto isso é frequente...

E encontrei nesta crônica de Fernanda a idéia exata do que queria compartilhar neste momento:

sábado, agosto 06, 2011


Eu briguei com o meu coração...
Disse que jogasse o amor antigo fora... ele deu nó!
Coração não entende ordens...
De um lado, a razão exigindo... de outro, o coração tentando...
A verdade é quem tudo sai como o planejado... mas a gente tenta!
(...) Acho que sofro calada...
Calada, maquiada e de salto alto...
Mas manter a pose cansa... Cansa ser racional! Cansa enganar o coração! Cansa ser forte!
A verdade é que hoje (...) chorei calada... porque é feio chorar por amor perdido...
Mas... quer saber? (...) Não estou nem aí para escrever bonito...
Quero respirar de novo e amar alguém como um dia eu te amei...
Alguém aí acredita em segundo amor?
[Fernanda Mello]

sexta-feira, agosto 05, 2011


Tá bom (...) Você venceu. Venceu. Venceu. Venceu...
(...) Te amo mesmo, talvez pra sempre... mas nem por isso eu deixo de ser feliz ou viver minha vida...

F#%&* esse amor! E f#%&* você!
[Tati Bernardi]

quinta-feira, agosto 04, 2011

Eu me sinto às vezes tão frágil...
Queria me debruçar em alguém... em alguma coisa... alguma segurança...
Invento historinhas para mim mesmo o tempo todo... me conformo... me dou força...
Mas a sensação de estar sozinho não me larga...
Algumas paranóias, mas nada grave...
O que me incomoda é esta fragilidade... essa aceitação... esse contentar-se com nada...
Estou sensível... as coisas me comovem...
[Caio F. Abreu]